Caderno Azul #2

“Space Oddity”, David Bowie e Kristen Wiig

Nunca tive tanto medo de crescer quanto hoje.

O mundo acinzentou de repente, as rimas sumiram, o perfume evaporou. Tudo que restou foi a aspereza da realidade, a dureza dos fatos, a rispidez dos números.

Ninguém te prepara para isso.

Escola nenhuma oferece especialização em sobrevivência, muito menos há nas livrarias um manual de uso da maturidade. Tudo o que resta é fechar os olhos vez ou outra e fazer o possível para sair (quase) ileso.

Porque ainda não há bote que salve os corações partidos ou ressuscitador para ilusões despedaçadas.

O que resta mesmo somos nós, mambembes, nos equilibrando ao pular de uma decepção a outra. Nós, que já nos contaminamos de sal e cinza, mas insistimos em encontrar uma brecha azul de céu para dar de comer à nossa fé em um milagre.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s